Pages

Search This Blog

Popular Posts

22/02/18

Less Baixa

Para variar um bocadinho hoje escrevo para vos fazer salivar e não para terem vontade de fazer as malas.
Conheci o restaurante Less Baixa em Novembro, num workshop da Martini, e desde aí que fiquei maravilhada com espaço. O Less fica na Rua dos Fanqueiros, no 8º andar do edifício da Polux, uma das lojas mais antigas de Lisboa, com uma vista soberba sobre a cidade de Lisboa.

Ontem decidimos ir experimentar. A carta não é grande mas tem tudo para te deixar a babar: tártaros, risottos e grelhados, de chorar por mais! Começámos pela tábua de queijos com compota de abóbora, depois o tártaro de bacalhau com espuma de coentros (divinal!), para ele o Lombo da vazia e para mim o risotto de tomate seco e amêndoa torrada com bacalhau fumado (que te vai fazer voltar a este restaurante vezes sem conta, acredita!)


Nada melhor que desfrutar do dia solarengo no terraço com as bebidas do chefe (Mojito Pink e a Sangria Porto pink), ficam aqui as fotografias para vos deixar com água na boca.










Morada: Pollux, Rua dos Fanqueiros, 276, 8º (Baixa), Lisboa
Telefone: 91 320 4373
Horário: De segunda a quarta, das 10h às 20h. De quinta a sábado, das 10h às 00h
Preço Médio: 40€ para duas pessoas


FacebookInstagram


Love
A.
0

17/02/18

Koh Lanta . Thailand

Koh Lanta era a ilha que estávamos mesmo a precisar! Uma ilha tranquila, com poucos turistas e muito pouco explorada. Não é a ilha mais bonita da Tailândia mas é de passagem obrigatória.
Infelizmente não tivemos muita sorte, foram 4 dias de chuva e céu cinzento, tempestades no mar e praias cobertas de lixo.
Por esta razão não conseguimos aproveitar as praias magnificas da ilha e as excursões a outras ilhas mais próximas, no entanto, explorámos a ilha de mota mesmo de baixo do vai e vem das chuvas.
Foi também durante esta semana que vivemos de perto a dura realidade da poluição nos oceanos, foi chocante caminhar por praias repletas de lixo (sobretudo plástico). 




É um facto que o problema da poluição não ocupa o topo da lista de prioridades destas populações, em que a principal preocupação está em sobreviver. No entanto, penso que com a sensibilização adequada, este poderia ser um problema resolvido a curto/médio prazo. Tem também de partir de nós fazer um esforço para reduzir a pegada ambiental e, por essa razão, essa foi uma das minhas resoluções de ano novo!


O que fazer:

. Alugar mota
Assim que chegámos à ilha alugámos mota no hotel e partimos à descoberta. A ilha é muito pequena e as estradas não são nada más em comparação com outras ilhas que visitámos. Só de mota conseguimos ver realmente o que esta ilha tem para nos oferecer. As primeiras horas na ilha relembram-nos algumas imagens que vimos na TV do tsunami de 2004, é impressionante que passados 13 anos ainda conseguimos ver vestígios de destruição.
(Espero que não encontrem elefantes pelo caminho, é sinal que a exploração desta espécie terminou!)

. Bamboo Bay Beach 
Uma das nossas praias preferidas. Apesar do tempo, é uma praia enorme com bares engraçados e comida optima! Fomos surpreendidos por uma (grande) família de macacos assim que chegámos à praia. Uma das coisas mais fascinantes desta ilha: é comum encontrar no meio da estrada vacas, macacos, elefantes, cabras, etc.



. Visitar a Old Town 
Como o nome indica, a zona mais antiga da ilha. Uma rua muito simpática com restaurantes e pequenas lojas que vendem de tudo um pouco. Foi impossível ficar indiferente aos produtos naturais feitos por eles, em especial a loção de côco com um cheiro maravilhoso!


. Mercados
Por si só os mercados na Tailândia já são uma das principais atrações e em Koh Lanta não é excepção. Perdemos a conta dos mercados que encontrámos pelo caminho com fruta fresca, comida ambulante e todo o tipo de "chinesices" que eles tentam vender a preços altamente inflacionados! 

. Koh Lanta National Park 
Mais uma vez, a melhor maneira de chegar é de mota. Podem parar nos viewpoints e tirar fotos magnificas.



. Street food 
Porque é impossível resistir à comida Tailandesa, a comida feita nas barraquinhas ou tuktuks à beira da estrada é sempre a melhor opção. Para além de ser muito mais barato a comida é deliciosa! 

. Emerald Cave 
Infelizmente não tivemos oportunidade de visitar, pois a partir de Maio torna-se complicado fazer algumas excursões porque o mar não o permite. No entanto fica na nossa lista para uma próxima.

. Sunsets 
Ao entardecer a chuva dava tréguas e proporcionou-nos os sunsets mais maravilhosos de sempre. 

. Praias a Sul
Kantiang Bay, Waterfall Bay (Ao Klong Jark) and Bamboo Bay (Ao Mai Pai).

. Four Islands Boat Tour
Mais uma vez, a chuva não nos deixou fazer o circuito das quatro ilhas para fazer snorkeling. Optámos por fazer um circuito mais pequeno de canoa.






A norte da ilha numa pequena peninsula, muito perto do porto de Saladan, fica o Crown Lanta resort. Por entre a floresta descobrimos este hotel incrível perfeito para descansar e estar em contacto com a natureza.
Com uma praia privada e um dos bares mais bonitos de toda a ilha, The Reggae Bar, onde vimos um por do sol inesquecível enquanto aproveitávamos a Happy hour.




Hope you love it
A.

0

05/02/18

Ao Nang . Krabi . Thailand

Depois da semana maravilhosa em Koh Tao fizemos as malas rumo ao Sul. Ao Nang foi o destino.

Ao Nang não tem as praias mais maravilhosas do mundo mas pode ser um bom ponto de partida para chegar a muitas delas. 
Li muitas reviews negativas sobre este sítio mas acabou por me surpreender pela positiva. É verdade que é um sítio bastante turístico, no entanto, tem óptimas infra-estruturas, bairros simpáticos e cheios de animação, restaurantes para todas as carteiras, mercados com comida maravilhosa a menos de 1€ por pessoa, e hotéis não faltam.





Junto à Praia de Ao Nang podem encontrar inúmeras agencias com pacotes de viagens e passeios às outras ilhas. É aqui que é preciso ter atenção, quando a oferta é muita acaba por ser difícil escolher a melhor opção. 
Tivemos uma das piores experiências da nossa viagem porque não nos informámos como devíamos. Depois de corrermos tudo à procura de um pacote acessível para visitar as ilhas PhiPhi acabámos por escolher o mais barato e, por sua vez, o mais aliciante (quando a esmola é grande...).
Queríamos evitar ao máximo as excursões turísticas mas estávamos com o tempo contado e queríamos conhecer as PhiPhi. 
Acabámos na parte da frente de um speedboat (porque o barco ia cheio de chineses a gritar e a vomitar com os enjoos) e o que seria uma viagem de 40minutos maravilhosa tornou-se num anuncio da Pescanova altamente violento. 
As PhiPhi são maravilhosas mas a experiência foi assustadora, quase partimos a Canon com a tempestade que apanhámos e o valor não compensou as dores no corpo do dia seguinte.
Aconselhamos a apanhar o Ferry até PhiPhi e ficar por lá pelo menos uma noite.


Ao Nang Cliff Beach Resort

Situado na rua principal, foi o hotel onde estivemos durante 3 noites e foi sem dúvida dos mais bonitos onde estivemos em toda a Ásia. Numa encosta com vistas extraordinárias, quartos de sonho, piscinas que se confundem com o horizonte e um atendimento incrível.
O hotel é enorme e fascinante, para chegarmos ao topo do hotel podíamos apanhar um taxi à porta caso contrário teríamos de apanhar três elevadores diferentes, subir inúmeras escadas e passar por duas piscinas.



A não perder:

. Railay Beach. A 15 minutos de Ao Nang de barco, é uma optima praia para descansar. A praia é lindíssima e, apesar dos turistas, é uma boa aposta ficar a pernoitar e subir aos viewpoints mais conhecidos. 





. Wat Tham Sua (Tiger Cave). A tiger cave é um templo budista que fica a mais ou menos 10 minutos de carro de Krabi. Uma experiencia incrível e que vale cada centimo e cada pingo de suor! 
Negociámos com um senhor que fez connosco o percurso até à tiger Cave, com paragem na Emerald Pool a 19€ por pessoa (aposto que conseguíamos mais barato mas a verdade é que o senhor andou connosco o dia todo e deixou-nos no hotel).
A subida à Tiger Cave é um verdadeiro survivor, são 1237 degraus altamente irregulares e 278metros de altura. Leva água, muita água, porque vais precisar. A subida não é nada fácil mas quando chegas lá a cima esqueces o cansaço e as pernas a tremer, a vista é de cortar a respiração. 
Uma pequena nota: Vais encontrar macacos pelo caminho que te vão tentar roubar o que puderem, por isso cuidado com garrafas, telemóveis, chapéus, maquinas fotográficas, etc. Eles sabem o que fazem!


. Alugar um Kayak . Nesta zona de Ao Nang e Krabi há praias maravilhosas em que os acessos só são possíveis de barco. Para quem quer fugir dos grupos de turistas e descobrir praias desertas a melhor opção é alugar um kayak e ir à descoberta. Podem alugar um kayak para uma ou duas pessoas até aos 1000Baths por dia, tudo dependerá da vossa arte para negociar!

. Massagens . A praia de Ao Nang não é maravilhosa, a areia é escura e os barcos são uma constante. No entanto, do lado esquerdo da praia podemos encontrar barraquinhas de massagens com vista para o mar e restaurantes com um ambiente incrível e bem tranquilo. 











Se tiveres dicas de viagem deixa o teu comentário!
Hope you love it

A.












2

01/02/18

Como edito as minhas fotos?

Todos os dias recebo mensagens a perguntar qual é a maquina que uso e como edito as minhas fotos, por isso nada melhor que escrever um post sobre isto.
First of all, a maior parte das minhas fotos são tiradas com o iPhone (antes de Dezembro tirava com o Huawei P9) e com a Canon 6D (podem ver todas especificações da Canon 6D aqui).Nem sempre é fácil andar com uma mala cheia de objectivas, especialmente em viagem, mas a verdade é que ter uma boa objectiva faz toda a diferença.


As minhas Lentes:
Canon EF 50mm f/1.8 STM - Para detalhes, fotos em espaços com pouca luz e desfoque de fundo.
Canon EF 24-105mm f/4L IS USM II - Quando queria fotografar com mais angulo usava o iPhone mas a verdade é que esta lente tem feito maravilhas nas minhas viagens.  














Como edito as minhas fotos?
Acreditem ou não, nunca edito as fotos da mesma maneira porque, a meu ver, é impossível editar todas as fotos com a mesma luz, a mesma tonalidade e até com mesmo filtro sem que elas fiquem diferentes.

Infelizmente não há um filtro mágico que deixe todas as tuas fotos lindas e imaculadas, sempre com os mesmos tons e com a mesma luminosidade, por isso vou-te dar algumas dicas para criares um feed bonito e homogéneo.

Antes de mais, o que me chama a atenção num perfil é a originalidade e a forma como contam uma história. Nós não queremos ver perfis todos iguais, com as mesmas cores e os mesmos tipos de fotos, por isso cria o teu próprio estilo e conta a tua história! 

. Sombras e luz . Se estiveres a tirar fotografias dentro de casa possivelmente vais precisar de subir a exposição e vice versa. Por isso, brinca com a luz e as sombras para criares a tua identidade.

. Contraste e Saturação . Há quem adore fotografias muito contrastadas e saturadas. No meu caso, gosto de criar tons pastel e por isso evito grandes contrastes e saturação.

. Ajustes e "Levels" . No Photoshop e Lightroom consegues mexer nos niveis de cores (shadows, highlights, midtones) individualmente e isso permite-te corrigir com maior precisão a luz e as cores da tua fotografia. 

. TemperaturaOra vejamos, se eu tirar uma fotografia de manhã à vista do meu quarto possivelmente vou ter uma fotografia com cores frias e menos luminosidade. Se tirar a mesma foto à tarde vou ter uma fotografia com tons quentes, mais contrastes e possivelmente mais saturada.  

O mesmo acontece se tirar uma fotografia num dia de chuva ou num dia soalheiro, certo?
Mexer na temperatura de uma fotografia já é meio caminho andado para as deixar mais homogéneas. 

A verdade é que criar um feed "bonitinho" dá trabalho. Se não gostas de perder tempo com estes pormenores podes sempre usar alguns programas de edição que já vêm com packs de filtros. O VSCOcam é um dos meus favoritos e aí consegues encontrar packs engraçados e acessíveis. 
Repara que quando compras um pack de filtros não encontras apenas um filtro, encontras vários filtros com a mesma base mas com algumas diferenças na luz, saturação, contraste, etc. Um pack harmonioso e que te ajuda com os dramas da edição.


Outros programas de edição que utilizo:
. Photoshop
. Lightroom
. Snapseed
. Facetune 
. Instasize 

Deixo aqui os meus feeds preferidos para se inspirarem um bocadinho!

















With Love
A.

GuardarGuardar
0

28/01/18

Koh Tao . Thailand






Koh Tao foi o nosso primeiro destino depois de aterrarmos em Bangkok.

Como chegar: 
Autocarro + barco de Bangkok
Avião de Bangkok ou Koh Samui 





Ao contrário daquilo que pensávamos os transportes na Tailândia estão muito bem preparados para receber turistas. 
Comprámos o bilhete de autocarro online que já vinha com o transfer para a ilha incluído. Em 6 horas chegámos a sul, meios confusos com o calor e a chuva torrencial, e em menos de 15 minutos mudaram-nos para um pequeno autocarro que nos levaria ao ferrie. Não foi preciso fazer perguntas.

Foi nessa viagem que descobrimos que o jetleg era bem real, não foi fácil recuperar com os 40 graus, a humidade (100%!) e as 12 horas de avião que nos separavam de Portugal.

A chegada à ilha foi... especial. Fomos baptizados com a multidão de locals a gritar “tuktuk!!” “Speak English?!!”, 50 mãos no ar a tentar pegar nas nossas malas e a garantirem que sabiam onde íamos ficar. Assustador.


Tip: Será assim em todo o lado, por isso já sabes, és turista e eles vão-te lembrar disso todos os dias. 
Serás abordado sempre, vão-te tentar vender tudo e pelo triplo do preço. Nunca tenhas medo de regatear, caso contrário chegas ao fim da tua viagem de carteira vazia. Regateia uma massagem, regateia o jantar, regateia TUDO e não te sintas mal por isso (quando apanhares o jeito vais perceber o quanto andaste a poupar).


Nao poupámos na primeira estadia. Estávamos exaustos e o nosso corpo ainda estava a habituar-se às horas, ao clima, à confusão, à cultura. Achámos que este primeiro impacto merecia as condições mínimas. Ficamos no Clear View Resort numa encosta, em que cada cabaninha tinha vista para o mar.




A melhor maneira de conhecer a ilha é de mota (como em toda a Ásia!). 
Alugámos a mota no hotel por 150 Baths (3€ por dia)
Nenhum de nós tinha conduzido mota e posso dizer que esta ilha foi um desafio para começar a andar.
A ilha não é grande mas tem muitas subidas e descidas (especialmente a norte), as estradas não estão em bom estado (como é de esperar) e muitos acidentes acontecem.
Ooh Tao é incrível e vale a pena ficar pelo menos três dias para conhecer. No primeiro dia explorámos o norte, mais denso, as praias mais selvagens e difíceis de chegar. 
No sul tudo muda, todas as praias são especiais e totalmente diferentes umas das outras. 

A verdade é que a norte não conseguimos ver praias. Os acessos às praias são feitos de barco e andar de mota a norte é uma aventura. Fomos enganados mil vezes e de todas as maneiras possíveis. 
Aqui descobrimos mais uma esquema deles para ganhar dinheiro. Eles apropriam-se dos terrenos e das estradas. Acrescentam placas a indicar locais fictícios e para passar tens de pagar. 

Depois desta primeira aventura desistimos do norte, fomos fazer o check às vistas “instagramaveis” e aos pontos com fácil acesso e depois disso fomos conhecer as praias junto ao hotel (Sairee Beach).
Os bares junto à praia são um sonho e foi sem dúvida o melhor sítio da ilha para ficar, tens barzinhos, restaurantes e umas quantas lojas. 
Não esperes uma fullmoon party. Esta ilha tem festas QB, um ambiente mais relaxado, mais familiar mas muito boa vibe.



Depois da nossa última experiência a norte percebemos que a melhor maneira de conhecer todas as praias era de barco, por isso fomos explorar o centro (zona do Porto - Mae Haad Town) onde várias lojas têm packs de snorkelling, viagens de barco, actividades pela ilha e muito mais.
Depois de corrermos tudo à procura da melhor opção escolhemos um programa de um dia de barco com um formador inglês que nos iria mostrar as melhores praias da ilha.
Tivemos sorte. Depois de 50 dias na Ásia podemos garantir que foi das melhores viagens de grupo que fizemos. A ilha é realmente incrível, o guia foi fantástico, o grupo muito tranquilo e as praias de sonho.

Ficámos apaixonados pelo sul da ilha, por isso decidimos que nos outros dois dias íamos à aventura de mota às praias que mais gostámos. Assim foi! 
Deixo-vos aqui fotos de toda a experiência. Muitos dos momentos são impossíveis de captar numa fotografia mas parece-me que isto já dá vontade de fazer as malas e arrancar par Koh Tao.


A NÃO PERDER:

Snorkelling. Há uma oferta incrível de pacotes de actividades a fazer na ilha. Tirem um dia para conhece a ilha de barco. A nossa custou 1400 Baths para duas pessoas, o que equivale a mais ou menos 18€ por pessoa. 

Massagens. O melhor da Tailândia e nesta ilha não foi excepção. 

Mota. Consegues alugar em qualquer sítio. Não deixes que fiquem com o teu passaporte, deixa um cartão de identificação ou leva contigo fotocópias. Algum sítios não aceitam, por isso, se tiveres de deixar o passaporte tenta deixar no hotel onde ficas ou em algum espaço conhecido e com boas reviews. 

Crepes. SIIIIIM! Foram as melhores que comemos em toda a Tailândia. Os crepes de rua com Nutella e banana são de chorar por mais.

Comida. Quando te dizem que vais emagrecer na Ásia ri-te! Nada disso é verdade. 
Fui cheia de medos, li todos os blogs possíveis e ia altamente preparada para as tão temidas diarreias e intoxicações alimentares. Surpreendentemente, com um estômago tão frágil como o meu, estive nas nuvens! A cozinha tailandesa é maravilhosa, especialmente quando é feita nas barraquinhas de rua à tua frente. 
Obviamente que tivemos alguns cuidados, não comemos saladas nem alimentos Crus, água só engarrafada e fruta partida à nossa frente. 



PRAIAS A NÃO PERDER:

Sairee Beach. A maior praia da ilha, onde ficámos instalados. Aqui encontras bares, restaurantes e muitas lojas sem a confusão da zona do porto.

Sai Nuan Beach. Os acessos são feitos de barco ou a pé.

Chalok Bann Kao. Uma das maiores praias da ilha com alguns bares e restaurantes.

Freedom Beach. Estivemos nesta praia no dia em que fizemos a volta à ilha de barco, os acessos não são fáceis.

Haadtien Beach (shark bay). Fomos para o sul da ilha de mota e pelo caminho é impossível não parar para tirar fotos à paisagem. Palmeiras alinhadas de perder a vista e ao fundo a Shark Bay.

Tanote Bay. A melhor praia para fazer snorkeling 

Koh Nang Yuan. Esta ilha é paragem obrigatória para quem vai a Koh Tao. Fica a 10 minutos de barco e tens de pagar 100baths à chegada. Não são permitidas garrafas de plástico por isso prepara-te para largar a nota. 
Certifica-te que vais cedo para evitar os grupos de turistas que visitam a ilha. Apesar da confusão vale a pena subir ao topo da ilha para tirar a famosa foto .
Esquece os turistas e desfruta!



With love
A.









2

Subscribe to our mailing list:

Social

Follow

About:

About:
Designer . Illustrator . Daydreamer . Lisbon . its.andy.blog@gmail.com