Pages

Search This Blog

10/04/18

SIEM REAP . CAMBOJA

Durante o planeamento da nossa viagem pela Ásia foram muitas as vezes que nos perguntámos se valeria a pena ir ao Camboja em vez de ir à Malásia... e ainda bem que concordámos em arriscar! Foi o país que mais nos surpreendeu e que nos deixou umas saudades imensas de voltar.

Aterrámos em Siem Reap (o visto foi feito na hora à chegada ao aeroporto) e fomos logo recebidos pelo motorista do hotel onde ficámos hospedados nas primeiras duas noites.
TIP: Muitos hotéis têm esta opção (Airport pick-up/transfer) e para viagens tão cansativas como a nossa foi um bonus não ter de voltar a regatear uma tuktuk para o centro da cidade.

Estávamos sem palavras para o cenário. Terra vermelha, trânsito caótico, crianças a conduzir, animais no meio da estrada, mercados por todo o lado e uma energia fora do normal. Foi difícil absorver tanta informação ao mesmo tempo, estavam 38 graus e nós só precisávamos de um banho para nos sentarmos a programar os próximos quatro dias.

🇬🇧
During the planning of our trip through Asia we asked ourselves many times if it would be worth it going to Cambodia instead of going to Malaysia... and thankfully we agreed to risk on it! It was the country which surprised us the most and left an enormous will to come back.
We landed in Siem Reap (the visa was done when we arrived at the airport) and we were immediately welcomed by the hotel’s driver, who took us the hotel where we’d stay for the first two nights.
TIP: Many hotels have this option (Airport pick-up/transfer) and for trips as tiresome as ours it was a bonus not having to haggle for a tuktuk to the city center.
We were overwhelmed. Red soil, chaotic traffic, children driving, animals in the middle of the road, markets everywhere and an out of the ordinary energy. It was difficult to take in so much information at the same time, it was 38ºC and the only thing we needed was a bath so we could settle and plan the next four days.








ONDE FICAR?

Chegámos ao hotel de boca aberta (mas ainda não tínhamos visto nada!), fomos recebidos com chá gelado e encaminhados para o nosso quarto. Um dos hotéis mais incríveis onde alguma vez estivemos, pela historia, pela beleza, pela arquitectura e pela simpatia de todas as pessoas que lá trabalhavam.
Em frente ao Royal Garden, o Victoria Angkor Resort & Spa foi inspirado na arquitectura colonial francesa e fica a pouco metros do centro. É um verdadeiro oasis em plena cidade, com mobiliário em madeira escura em harmonia com a arquitectura. Parecia que tínhamos recuado no tempo.
Toda a decoração dos quartos com um toque colonial, o nosso inspirado na história da antiga Indochina.

🇬🇧
When we arrived at the hotel we were speechless (but we hadn’t seen anything yet!), we were welcomed with iced tea while we were taken to our bedroom. This is one of the most incredible hotels we’ve ever stayed at, due to its history, its beauty, its architecture and its staff’s sympathy.
In front of the Royal Garden, the Victoria Angkor Resort & Spa was inspired by French colonial architecture and it’s close to the city center. It truly is an oasis in the middle of the city, with dark wood furniture in such harmony with the overall architecture. It seemed as if we had gone back in time. Each room decorated with a colonial touch, ours was inspired by Indochina’s history.





Nos últimos dois dias ficámos hospedados no Greenleaf, uma opção mais em conta mas igualmente fantástica. 
Mais um pequeno oasis a poucos minutos do centro com um pormenor importante: uma organização sem fins lucrativos criada para ajudar unicamente as aldeias locais, para que todos possam ter acesso a educação e a água potável.
Fomos recebidos pelo Lin como se fizéssemos parte da família e foi aqui que ouvimos falar pela primeira vez em "turismo consciente".

🇬🇧
On the last two days we stayed on Greenleaf, an option less expensive but also fantastic.
Another little oasis a few minutes from down town with an important detail: an non-profit organization created exclusively to help the local villages, so everyone can be educated and have access to drinking water. We were greeted by Lin as if we were family and that was the first time we heard of “conscious tourism”.












HIGH LIGHTS:

- ANGKOR WAT
Angkor Wat é sem dúvida uma experiência incrível e uma boa razão para visitar Siem Reap, é um complexo de 50 templos (antiga capital do império Khmer) com influencias hindus e budistas impossíveis de ver num dia só. 
Comprámos o pass de um dia sabendo que iria ficar muito para ver e em vez de termos alugado uma tuktuk como nos tinham aconselhado decidimos alugar mota (best option ever!), estávamos por nossa conta.
Alugar uma tuktuk é uma boa opção para quem quer evitar o pânico das estradas do Camboja mas aconselho a regatearem valores, se gostarem do motorista paguem para vos mostrar os templos por um dia, vai ser o vosso melhor guia!
É impossível visitar Angkor a pé e sem um bom plano, são quilómetros e quilómetros de um templo ao outro por isso alugar mota ou bicicleta é uma optima opção.
Não fomos ver o sol nascer por trás dos templos como manda a tradição mas mais uma vez aconselho a evitar as horas de maior calor, o calor é imenso e visitar os templos nestas condições torna-se missão impossível. 
TIP: Visita também templos mais pequenos, são igualmente incríveis e não vão estar atolados de turistas.

🇬🇧
- ANGKOR WAT
Angkor Wat is, without a doubt, an incredible experience and a good reason to visit Siem Reap, it is an area with 50 temples (former Khmer empire’s capital) with Hindu and Buddhist’s influences, impossible to see in only one day.
We bought the one day pass knowing a lot would be left unseen and instead of getting a tuktuk we decided to rent a motorcycle (best option ever!), we were on our own.
Renting a tuktuk is a good option for whoever wants to avoid the panic of Cambodia’s roads but I advise you to haggle the prices. In addiction, if you like your driver you can pay him to show you the temples for a whole day, he’ll be your best guide!
It’s impossible to visit Angkor on foot and without a good plan, there are kilometers and kilometers between the temples so renting a motorcycle or a bike is a great option.
We didn’t see the sunrise behind the temples as it is as a tradition but, once again, I advise you to avoid the hottest hours, the heat is intense and visiting the temples in this conditions becomes mission impossible.
TIP: Visit the smaller and less known temples, they’re as incredible and they won’t be as crowded.



- NIGHT MARKETS
Como em toda a Ásia os night markets são o melhor plano para o serão mesmo depois de um dia de passeio. Em Siem Reap não é excepção, há mercados em cada esquina, comida mais em conta e música, muita música. 
Quem já lá foi sabe do que falo, as ruas principais enchem-se de pequenas bancas ambulantes onde servem bebidas e, por norma, cada uma com um computador onde os clientes metem música a gosto. É de loucos, estas bancas metem a música TÃO alto para competirem umas com as outras que fica impossível conversar com o parceiro do lado.
Caótico mas muito engraçado!
    TOP markets: 
    - Angkor Night Market
    - Old Market
    - Siem Reap Art Centre Markets

- HIDRATAÇÃO
Faz calor, muito calor, e por norma os preços nas zonas turísticas disparam de forma absurda, por isso é melhor prevenir do que pagar 4€ por uma garrafa de meio litro de água. 

- AS PESSOAS
São dos povos mais simpáticos que alguma vez conheci, são amáveis, prestáveis, divertidos e falam muito bem ingles! É impossível não nos lembrarmos das semanas no Camboja sem um brilho nos olhos, todas as pessoas que fomos conhecendo pelo caminho deixaram a sua marca. Até mesmo a miúda a quem alugámos a mota durante 4 dias em SiemReap que me abraçou e gritou "I LOVE YOU!" quando percebeu que não iamos voltar no dia a seguir! Ahah true story! 

- COUNTRYSIDE
É verdade, o transito em Siem Reap pode ser caótico porque não há regras mas assim que nos afastamos do centro o cenário é outro. Explorar as redondezas pode ser fascinante, pegámos na mota e fomos sem rumo para sul encontrámos templos incríveis à beira da estrada, campos de arroz de perder a vista e vilas piscatórias.

- MOEDA
No Camboja a moeda utilizada é o Riel, no entanto é comum usar-se o Dólar Americano (nós usámos sempre o Dólar e nunca tivemos problemas). Para quem viaja pelo sudoeste asiático pode ser um choque visto que é bem mais caro do que os países vizinhos (aqui já não encontramos refeições maravilhosas a 1€!), os preços estão altamente infeccionados especialmente nas zonas turísticas.

🇬🇧
- NIGHT MARKETS
As it is throughout Asia, the night markets are the best plan for finishing your evening, even after a long day. In Siem Reap it isn’t an exception, there’s markets in every corner, cheaper food and music, lots of music.
Who has been there knows what I’m talking about, the main streets get full of little stands where they serve drinks and each one has a computer so the clients can choose which song to play. It’s crazy, those stands put the music so loud to compete with one another that speaking with your friends becomes impossible. Chaotic but very funny!
    TOP markets: 
    - Angkor Night Market
    - Old Market
    - Siem Reap Art Centre Markets

- HYDRATION
The temperatures are very very high and most of the time the prices rise ridiculously in touristic areas. The best thing is to prevent yourself and bring your own instead of paying 4€ for a 1,5L water bottle.

- PEOPLE
They’re one of the most sympathetic people I’ve ever met, they’re lovely, helpful, entertaining and they speak English pretty well! It’s impossible not to remember our week in Cambodia without a sparkle in our eyes. Every single person we met along the way left their mark, even the girl who rent us the motorcycle for four days in Siem Reap, she hugged me and screamed "I LOVE YOU!" when she understood we wouldn’t come back the following day! Ahah true story!

- COUNTRYSIDE
It’s true, the traffic in Siem Reap can be chaotic because there’s no rules but once we get away from the city center the scenario is completely different. Exploring the outskirts can be fascinating, we got on the motorcycle and drove south without a destiny, we found amazing temples on the side of the road, not ending rice fields and piscatory villages.

- CURRENCY
In Cambodia the actual currency is the Riel, however the US Dollar is also commonly used (we always used the US Dollar and we never had problems). For people who are travelling through southeast Asia it can be a shock since it’s a lot more expensive than the surrounding countries (here we don’t find wonderful 1€ meals), the prices are highly inflated, specially in touristic areas.





GuardarGuardarGuardarGuardar

Sem comentários:

Enviar um comentário

Subscribe to our mailing list:

Social

Follow

About:

About:
Designer . Illustrator . Daydreamer . Lisbon . its.andy.blog@gmail.com